Procuram-se memórias por todo o concelho da Feira

Desde o início de fevereiro que uma equipa multidisciplinar do Imaginarius Centro de Criação (ICC) percorre o concelho de Santa Maria da Feira à procura de memórias individuais e coletivas que, numa primeira fase, serão partilhadas com o público numa criação artística com estreia absoluta no festival Imaginarius. “140 Mil Memórias” é o projeto âncora do ICC para o biénio 2018/2019, que nasceu da vontade de encontrar memórias, individuais e coletivas, que fazem parte do território de Santa Maria da Feira, composto por aproximadamente 140 mil habitantes.

 

O projeto “140 Mil Memórias” já visitou 21 freguesias do concelho e ouviu mais de uma centena de pessoas de diferentes gerações, que contribuíram com as suas memórias para este “museu participativo”, construído a partir de histórias, artefactos, imagens e sons. Todos os testemunhos são alvo de um intenso registo fotográfico e de vídeo, que culminará com um documentário final.

 

O processo de recolha de memórias centra-se em oito núcleos temáticos – a água e os rios, do trabalho dos campos à indústria, a religião, o Vouguinha, o desporto, as fogaças e outras doçarias, as histórias e lendas, e o namoro – que tocam todas as freguesias do concelho, percorrendo diferentes gerações.

 

Foi a partir de conversas com elementos da Câmara Municipal e das diferentes Juntas de Freguesia que foram apontadas as pessoas a visitar, que por sua vez indicaram outras e outras, a quem a equipa bateu à porta ou marcou encontros em centros de dia, cafés, museus ou até à beira rio, em busca de testemunhos representativos da identidade das gentes de Santa Maria da Feira.

 

Desta forma foi-se criando uma teia, em permanente construção, que já passou por várias freguesias do concelho, como Santa Maria da Feira, Souto, Arrifana, Lobão, Canedo, Argoncilhe, Caldas de S. Jorge, Pigeiros, Argoncilhe, S. Paio de Oleiros, S. João de Ver, Santa Maria de Lamas ou Paço de Brandão, Vale, S. Miguel de Souto, Fornos, Lourosa, Romariz, Escapães e Guisande, numa viagem que prossegue e que terá como primeira paragem para partilha com o público a instalação no Mercado Municipal, nos três dias do festival Imaginarius – 24, 25 e 26 de maio –, ponto de partida para outras ações futuras.

 

Neste périplo pelo concelho, a equipa artística faz mapeamento de histórias de trabalho, quer dos campos quer das fábricas, ou relacionadas com os montes e os rios, com o Vouguinha, com o desporto, com as fogaças e as regueifas, as lendas das terras percorridas, os dizeres e as benzeduras, a religião e, pelo meio, as histórias de namoro de outros tempos e de agora, que marcam memórias afetivas dos lugares visitados. Temáticas que surgiram no cruzamento das memórias de cada um, que acabaram por constituir os oito núcleos temáticos que organizam a informação recolhida.

 

“140 Mil Memórias” é a metáfora da representatividade de todos os residentes ou naturais de Santa Maria da Feira, que persegue a utopia de conhecer e dar a conhecer cada um e cada memória do passado, seja ele longínquo ou mais recente. Neste projeto, o objeto funciona com um ativador de memórias, que condensa uma história ou acorda uma memória, sempre registada em vídeo e fotografia.

 

O público que visitar a instalação no Mercado Municipal também será convidado a deixar a sua memória, a partir de um objeto seu, que simbolize essa vivência e que ajude a contar a sua história.

Entre abril e maio constrói-se a instalação, define-se a dramaturgia expositiva, editam-se vídeos, selecionam-se objetos. Serão ainda preparadas visitas guiadas, e ensaiados os espetáculos que vão dar vida a esta exposição.

 

“140 Mil Memórias” é um projeto âncora do Imaginarius Centro de Criação, desenvolvido pelos artistas convidados Vera Alvelos (execução, mediação e recolha) e Patrick Hubmann (instalação /cenografia), com direção de produção de Ricardo Falcão e recolha audiovisual de João Azevedo e João Ferreira.